15/09/2017

Cachaça: a mais brasileira das bebidas

Destemperados

Foto: Juliana Palma

Feita a partir da cana-de-açúcar, a cachaça faz parte do cotidiano e da cultura brasileira. Estrela do drink mais simbólico do país, a caipirinha, a aguardente ganha cada vez mais apreciadores em todo o mundo. Esta semana, na quarta-feira, 13, comemoramos o Dia Nacional da Cachaça.

Para entender melhor as particularidades da caninha, conversamos com o proprietário do bar Matita Perê, aberto há quase 10 anos em Porto Alegre, Filipe Stella. Apaixonado pela bebida, o empresário acredita no potencial e no resgate da brasilidade que ela proporciona.

– A cachaça é a bebida que nos aproxima da nossa história. Está associada a momentos de celebração, da roda de samba, do tambor, da gastronomia, dos movimentos culturais. Tudo interligado – explica.

Se engana quem pensa que esse destilado tem pouca qualidade. Cresce no Brasil a produção de cachaças artesanais, que passam por rigorosos processos de armazenamento ou envelhecimento, criando sabores sofisticados. Para ser chamada de envelhecida, a cachaça precisa repousar em barris de até 700 litros por no mínimo um ano.

É na riqueza de madeiras brasileiras que se encontra o leque de sabores da cachaça. Durante a produção nos chamados alambiques, ela passa por fermentação e destilação para, então, ser armazenada em barris. Esses irão construir o gosto e darão nome aos tipos de cachaça artesanal.

AMBURANA
Essa é a mais suave e adocicada das cachaças. De gole macio (sem queimação) e de baixa acidez, o sabor da Amburana é mais frutado e de especiarias. A bebida tem coloração mais amarelada e combina com doces. Pode ser utilizada para flambar.

CARVALHO
O carvalho é base para bebidas como rum, whisky e conhaque. Ele é responsável por um sabor clássico e amadeirado. A cachaça armazenada no carvalho tem notas de especiarias e uma coloração mais escura e amarelada.

AMENDOIM
Considerada por muitos a cachaça mais nobre, a Amendoim mantém a bebida mais próxima do sabor da cana de açúcar. De colora- ção mais transparente, ela é suave e tem baixa acidez.

BALSAMO
A balsamo é mais seca, adstringente e de gole duro (com queimação). Com sabor forte, ela é rústica e perfumada. De cor amarelada, ela acompanha bem as comidas gordurosas.

DRINKS COM CACHAÇA
Que ela fica perfeita com limão, açúcar e gelo, já sabemos. Mas que tal explorar um pouco mais essa bebida com outras receitas? Filipe Stella dividiu algumas combinações servidas no Matita Perê que dão um novo sabor à cachaça.

FLOR DE MARACUJÁ
1 dose de cachaça artesanal envelhecida em amburana
1 maracujá l 2 colheres de açúcar de baunilha
 1 folha de hortelã
 Gelo

Você vai precisar de
Liquidificador
Coqueteleira

1 Bata no liquidificador e coe a polpa do maracujá
2 Despeje a cachaça, o açúcar de baunilha, o suco e o gelo na coqueteleira. Sacuda até misturar bem
3 Molhe a borda de uma taça com água e esfregue com açúcar
4 Enfeite o topo do drink com uma folha de hortelã

CAIPIRINHA COM CANELA
1 limão taiti
2 colheres de sopa rasas de mel
1 colher de café de canela em pó
1 pau de canela l 1 dose de cachaça
Gelo

Você vai precisar de
Coqueteleira
Socador

1 Com o socador, tire o suco do limão misturado com o mel
2 Na coqueteleira, bata o gelo, o suco com mel e a canela em pó
3 Sirva o líquido num copo e enfeite com um pau de canela

Tags: